.: Notícias :.
Boletim Eletrônico Nº 1285

DESTAQUES:


Siga o

da SBQ



Logotipo
Visite a QNInt





capaJBCS



capaQN



capaQnesc



capaRVQ


   Notícias | Eventos | Oportunidades | Receba o Boletim | Faça a sua divulgação | Twitter | Home BE | SBQ



14/09/2017



Segue a panaceia da fosfoetanolamina, agora como suplemento alimentar


Recente apreensão feita pela Polícia Federal mostra que as pessoas ainda acreditam na chamada "pílula do câncer"

No final de agosto a Polícia Rodoviária Federal apreendeu 1,4 mil frascos de fosfoetanolamina que estavam sendo transportados ilegalmente para o Paraguai. O produto é oficialmente vendido pela internet para consumidores brasileiros como "suplemento alimentar", mas as pessoas ainda o compram por acreditarem que cura o câncer.


Professor Luiz Carlos Dias (IQ-Unicamp): "Nós, cientistas, precisamos ser mais intolerantes com o que nos parece errado. A fosfoetanolamina virou um caso de enorme gravidade no país! Todos os resultados divulgados pelo grupo de trabalho montado pelo então Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) para esclarecer a questão, aliados aos resultados dos testes em humanos realizados pelo Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (ICESP), mostraram que a substância não tem nenhuma atividade anticâncer. A ciência séria, conduzida com ética e respeito deu uma resposta extraordinária para a sociedade brasileira!"

A polêmica da fosfoetanolamina – que vem sendo usada como remédio para câncer há cerca de duas décadas sem aval científico nem fiscalização sanitária – tomou corpo há cerca de dois anos e chegou ao auge quando a presidente Dilma Rousseff sancionou lei que permitia seu uso – posteriormente derrubada pelo Supremo Tribunal Federal.

"Sancionar esta lei é uma decisão insensata e sem fundamento. A substância não passou pelos ensaios clínicos exigidos pela legislação. Em vez disso, foi impulsionada pelo entusiasmo de parte da população, que acredita que a pílula seja capaz de curar todos os tipos de câncer - algo inviável do ponto de vista científico e médico", afirmou na época o então presidente da SBQ, professor Adriano D. Andricopulo, pesquisador com amplo trabalho na área de fármacos.

A comunidade científica reagiu, o produto foi analisado a pedido do Ministério da Ciência Tecnologia e Inovação pelo Laboratório de Química Orgânica Sintética do IQ-Unicamp, coordenado pelo professor Luiz Carlos Dias, no âmbito do INCT-INOFAR. "Acreditávamos que havia apenas fosfoetanolamina no grau de pureza informado pelo grupo do IQSC-USP. Para nossa surpresa encontramos fosfoetanolamina, mas não como descrita pelo fabricante, e mais quatro substâncias que não deveriam estar lá", descreveu Dias, naquela oportunidade.

Em maio de 2016 o governo paulista anunciou investimento de dois milhões de reais em testes clínicos realizados pelo Instituto do Câncer do Estado de São Paulo. Estes testes foram recentemente encerrados depois de constatarem a ineficácia da fosfoetanolamina como fármaco contra o câncer. E nessa época algumas empresas começaram a vendê-la como suplemento alimentar.

O presidente da SBQ, professor Aldo Zarbin (UFPR) manifestou sua preocupação com o fato. "Apoiamos sem restrições o relatório dos cientistas escolhidos pelo MCTI para analisar o caso. E o relatório é muito claro: não há nenhum indício, nenhum dado científico, de que a fosfoetanolamina tem efeito positivo no tratamento contra o câncer. E mais, a fosfoetanolamina que vem sendo comercializada não é pura. Obviamente a SBQ é absolutamente contra a comercialização de uma substância impura e ineficaz".

O professor Luiz Carlos Dias (IQ-Unicamp) é um dos principais químicos na área de síntese orgânica e química medicinal do Brasil, especialista em pesquisas que visam o desenvolvimento de novos fármacos e medicamentos. Fez pós-doutorado em Harvard, orientou mais de 90 alunos de iniciação científica, pós-graduação e pós-docs, e ministrou 167 conferências no Brasil e no exterior. Pesquisador 1A do CNPq, autor de 105 trabalhos com mais de 2.700 citações, ele teve seu laboratório credenciado pela Organização Mundial da Saúde como referência na síntese de compostos para o tratamento da doença de Chagas. Tem colaborações internacionais para o desenvolvimento de novos medicamentos para tratamento de doenças parasitárias tropicais negligenciadas e teve trabalhos em destaque de capa nas principais revistas de síntese orgânica e química medicinal.

Na semana passada, por alertar as pessoas sobre o perigo de comprar fosfoetanolamina sintética como suplemento alimentar, o professor Luiz Carlos Dias sofreu ataques nas redes sociais por parte de um comerciante de fosfoetanolamina.

O professor da Unicamp conhece bem as cápsulas de fosfoetanolamina. Ele analisou e caracterizou o conteúdo das pílulas produzidas no final de 2015, provenientes do IQSC-USP, sintetizou os diferentes componentes das cápsulas em sua forma pura e analisou o contéudo de duas das marcas que agora estão sendo vendidas como suplemento alimentar pela internet.

Leia depoimento do Professor Luiz Carlos Dias sobre o caso:

Nós, cientistas, precisamos ser mais intolerantes com o que nos parece errado. A fosfoetanolamina virou um caso de enorme gravidade no país! Todos os resultados divulgados pelo grupo de trabalho montado pelo então Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) para esclarecer a questão (http://www.mcti.gov.br/relatorios-fosfoetanolamina), aliados aos resultados dos testes em humanos realizados pelo Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (ICESP), mostraram que a substância não tem nenhuma atividade anticâncer (http://ciencia.usp.br/index.php/2017/03/31/fosfoetanolamina-nao-e-eficiente-contra-o-cancer-em-pessoas/). A fosfoetanolamina não cura nenhum tipo de câncer. O grupo de trabalho montado pelo MCTI mostrou que as cápsulas do Instituto de Química da Universidade de São Paulo em São Carlos (IQSC-USP) eram muito impuras e uma pequena atividade anticâncer foi observada apenas contra melanoma, mas cerca de 3000 vezes menor que a do antitumoral cisplatina. E esta atividade marginal foi observada para uma impureza presente nas cápsulas do IQSC-USP, a monoetanolamina, não para a fosfoetanolamina. Nós testamos em nosso laboratório na UNICAMP, no âmbito do INCT-INOFAR, tanto as cápsulas provenientes do IQSC-USP como cada um dos compostos da mistura, preparados em sua forma isolada e pura. O ICESP também testou em humanos a fosfoetanolamina preparada no laboratório PDT-PHARMA pelo grupo de São Carlos. Na fase de testes clínicos, o ICESP observou alguma pequena melhora em apenas um paciente, de um grupo de 72 pessoas, exatamente para melanoma, que pode inclusive ser devido a efeito placebo ou como resultado de tratamento anterior com quimioterapia. A ciência séria, conduzida com ética e respeito deu uma resposta extraordinária para a sociedade brasileira! Estava provado que a fosfoetanolamina como cura do câncer era uma invenção.

Quando o MCTI começou a divulgar os resultados dos estudos realizados pelo grupo de trabalho montado pelo MCTI, nós fomos acusados pelo Prof. Gilberto Orivaldo Chierice e seus colegas defensores da fosfoetanolamina, em várias ocasiões, inclusive no plenário do Senado Federal, uma casa do povo brasileiro, de subornar (sic) resultados, de deturpar a fórmula criada por eles, de agir de má-fé e de adicionar bário na fosfoetanolamina deles.

Parte 1: https://www.youtube.com/watch?v=J88tYVtea9c&app=desktop
https://www.youtube.com/watch?v=J88tYVtea9c&app=desktop
https://youtu.be/J88tYVtea9c
(Fosfoetanolamina - pesquisadores denunciam no senado fosfo falsificada pelo MCTI)

Parte 2 (continuação): http://www.senado.gov.br/noticias/TV/Video.asp?v=429715
(Criador da fosfoetanolamina contesta grupo de trabalho do governo: suborno de dados é má-fé)

Fomos acusados, dentre outras coisas, de usar uma síntese que não era a deles, de usar uma síntese em que adicionávamos bário, o que é um completo absurdo. O bário está sim presente, mas apenas nas cápsulas do IQSC-USP, não na que sintetizamos na UNICAMP. Infelizmente nós não fomos convidados a estar presentes nesta sessão no Senado Federal e não nos foi dada a oportunidade de defesa ou teríamos comparecido, por razões óbvias.

Em maio de 2016, o Instituto Nacional do Câncer (INCA) organizou um seminário público em sua sede no Rio de Janeiro, convidando o grupo de trabalho do MCTI e os criadores da fosfoetanolamina para discutir frente a frente os resultados, mas embora tenhamos ido ao seminário, os criadores da fosfoetanolamina não compareceram.

1. https://www.youtube.com/watch?v=q6Es2vn3IAw
(Seminário sobre Fosfoetanolamina - Manhã)

2. https://www.youtube.com/watch?v=fIP_cesJlnY
(Seminário sobre Fosfoetanolamina – Tarde)

Em uma de suas falas no Plenário do Senado Federal, o Dr. Marcos Vinícius de Almeida, do grupo do Prof. Chierice, após sugestão do então Ministro Celso Pansera, de lançar a fosfoetanolamina como suplemento alimentar (em minha opinião, também de forma equivocada), afirmou que lançar como suplemento seria "patifaria". Contudo, após a divulgação dos resultados em humanos pelo ICESP e a comprovação de que a fosfoetanolamina não cura câncer, eles perceberam que lançar como suplemento alimentar seria a alternativa comercialmente viável para o seu produto. Assim, o Dr. Marcos e o Dr. Ricardo Meneguelo aparentemente romperam com o Prof. Chierice e decidiram lançar a fosfoetanolamina como suplemento alimentar, nos Estados Unidos (USA). Eles passaram a produzir o suplemento de fosfoetanolamina no laboratório Federico Diaz, no Uruguai e a comercializar pela Quality Elements, em Miami. Como já havia um suplemento alimentar contendo fosfoetanolamina nos Estados Unidos, vendido pela New Life e que seria, portanto, um forte concorrente deles, foi feito um enorme trabalho de publicidade a fim de associar a fosfoetanolamina da Quality Elements à cura do câncer e a ANVISA suspendeu a propaganda enganosa proibindo a comercialização de fosfoetanolamina no Brasil (https://www.google.com.br/amp/s/oglobo.globo.com/sociedade/anvisa-suspende-propaganda-de-suplementos-de-fosfoetanolamina-20959622%3fversao=amp e http://www.crq4.org.br/informativomat_1356 e https://g1.globo.com/bemestar/noticia/anvisa-determina-suspensao-de-propaganda-de-suplemento-de-fosfoetanolamina.ghtml).

Há poucos dias, mais uma quadrilha foi pega, agora em Cascavel, no Paraná, vendendo cápsulas do suplemento contendo fosfoetanolamina, da marca New Life, concorrente da marca Quality Elements. Este suplemento da New Life é o Phospho 2-AEP, suplemento à base de zinco, que, segundo o site da empresa, contém cálcio e magnésio, além da fosfoetanolamina. Este suplemento foi e está sendo atacado por Marcos Vinícius, Renato Meneguelo e todos os que defendem a fosfoetanolamina da equipe do Prof. Gilberto Chierice. Isto dá para ter uma boa idéia do caso, complicadíssimo! Eles dizem que este suplemento e outros à base de fosfoetanolamina são falsificados e apenas o suplemento produzido pela Quality Elements e preparado com o aval deles é o confiável!

Nós não temos informações se estes frascos de suplemento pegos pela PRF em Cascavel são procedentes dos USA, o que configura contrabando internacional, ou se estão sendo produzidos e falsificados aqui no Brasil (http://g1.globo.com/pr/oeste-sudoeste/noticia/prf-apreende-14-mil-frascos-de-medicamento-estudado-para-o-tratamento-do-cancer.ghtml?utm_source=facebook&utm_medium=share-bar-desktop&utm_campaign=share-bar). Nós adquirimos no nosso laboratório em Campinas cápsulas de fosfoetanolamina vendidas como suplemento alimentar de dois fornecedores americanos, Cardan Wellness e Quality Elements e fizemos análise independente. Por estes frascos analisados, é possível afirmar que ambas tem os mesmos componentes das cápsulas do IQSC-USP em diferentes proporções e até mais impurezas que as contidas nas cápsulas produzidas originalmente no IQSC-USP. Se você conhece alguém que usa estes produtos, avise para parar, pois os mesmos contém impurezas de outras naturezas além das anteriormente detectadas na fosfoetanolamina produzida pelo grupo de São Carlos, que já era muito impura. Eu convidei o Dr. Marcos Vinicius de Almeida, que me ofendeu publicamente após minha postagem a respeito do assunto em meu perfil no Facebook a vir ao meu laboratório trazendo frascos lacrados de seu suplemento, que eu teria o prazer em analisar e elaborar um laudo oficial. Até o momento não tive qualquer resposta.

Os ativistas pró-fosfoetanolamina acreditam que tanto a Globo, o Dr. Paulo Hoff, o Dr. Dráuzio Varella e o grupo montado pelo MCTI, onde me incluo, somos todos corrompidos pelas grandes indústrias farmacêuticas. Mas ao que parece, felizmente muitos deles estão mudando de opinião. Hoje eu estou sendo procurado por pessoas que acreditavam no grupo do Prof. Chierice e criticavam minha postura contra a fosfoetanolamina. Há grupos no facebook, inclusive com mais de 20.000 membros que, no passado, acreditavam no Professor Gilberto Chierice e sua equipe. Há entidades que amparam pacientes com câncer e hoje percebem os "enganos" cometidos pelo grupo ligado ao Prof. Chierice. Hoje, vários grupos já não acreditam mais na promessa de cura do câncer e estão solicitando minha ajuda para testar a qualidade e os componentes das cápsulas destes suplementos. Segundo relatos pessoais desses grupos, alguns destes suplementos reforçam o sistema imunológico para ajudar o próprio organismo a lutar contra a doença. Muitos deles sabem que a fosfoetanolamina não cura nenhum tipo de câncer. Mas há os que acreditam. Aparentemente, alguns destes suplementos tem ajudado muitas pessoas que fazem quimioterapia, que parecem não sentir com tanta intensidade os efeitos colaterais adversos e parecem ser um bom adjuvante à quimioterapia. Segundo relatos destes mesmos grupos, o mesmo não é observado com outros suplementos à base de fosfoetanolamina, que parecem enfraquecer ainda mais os pacientes e piorar o quadro de câncer, embora obviamente todos estes relatos precisem de comprovação científica. Mas dá para se ter uma boa idéia do caso, complicadíssimo! Como eu vejo: Há muitos grupos e ativistas com diferentes objetivos. Alguns podem ter boas intenções, mas muitos outros tem interesses escusos. Há os que defendem a fosfoetanolamina do IQSC-USP, outros a da PDT-PHARMA, outros que defendem cada um dos diferentes suplementos contendo fosfoetanolamina. É possível perceber que uns atacam os outros. Embora de forma disfarçada, todos vendem os suplementos com a promessa de cura do câncer ou do alívio dos sintomas. Alguns tem claramente interesses financeiros e tem muita gente lucrando com a dor, o desespero e a falta de informação dos pacientes com câncer. No meio desta fogueira de vaidades estão os pacientes com câncer e seus familiares. Um caos!

Parece também que a fosfoetanolamina produzida no laboratório PDT-PHARMA em Cravinhos está sendo vendida e fornecida para atender liminares obtidas por pacientes na justiça (http://www.pdtpharma.com.br/noticias.html e https://ndonline.com.br/florianopolis/noticias/justica-autoriza-busca-e-apreensao-e-garante-pilula-do-cancer-para-800-pacientes-no-pais e http://www.acritica.com/channels/manaus/news/justica-do-amazonas-obriga-fornecimento-de-fosfoetanolamina-a-paciente-com-cancer-no-cerebro). Muita gente pode estar lucrando no atendimento às liminares e creio que isto deva ser investigado pelas autoridades competentes. Inclusive, relatos de grupos que antes eram pró-fosfoetanolamina do grupo do Prof. Chierice dão conta que a fosfoetanolamina produzida no PDT-PHARMA é muito impura, contém a mesma quantidade de bário detectada nos testes feitos em meu laboratório e está prejudicando pessoas que, inadvertidamente, continuam acreditando nesta história. Acreditamos que isso merece uma investigação cuidadosa!

Como muito bem resumiu o jornalista Carlos Orsi, esta história envergonhou a ciência brasileira, mas infelizmente parece longe de acabar (http://www.gazetadopovo.com.br/ideias/fosfoetanolamina-ocaso-que-envergonhou-a-ciencia-brasileira-d5wnxh6h28oop2z9b3xsg6v3w).

Luiz Carlos Dias
Prof. Titular – IQ-UNICAMP


Nota da Editora: No final de 2015, a convite do Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação e em colaboração com o Laboratório de Avaliação e Síntese de Substâncias Bioativas (LASSBio), do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade Federal do Rio de Janeiro-UFRJ, coordenado pelo Prof. Eliezer Barreiro, o Prof. Luiz Carlos Dias, analisou, no Laboratório de Química Orgânica Sintética do IQ- UNICAMP (LQOS), os componentes químicos das cápsulas de fosfoetanolamina (FOS) oriundas do Instituto de Química de São Carlos da Universidade de São Paulo (IQSC-USP). A iniciativa envolveu ainda a realização de testes in vitro e in vivo no Centro de Inovação de Ensaios Pré-Clínicos (CIEnP), instituto privado localizado em Florianópolis, coordenado por João Batista Calixto, ex-professor titular aposentado de Farmacologia da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e no Núcleo de Pesquisas e Desenvolvimento de Medicamentos da Universidade Federal do Ceará (NPDM-UFC), coordenado pelo médico Manoel Odorico de Moraes, professor da UFC. Os cerca de 20 relatórios técnico-científicos gerados pelo Grupo de Trabalho montado pelo MCTI estão divulgados no site especial criado pelo MCTI, dedicado a fosfoetanolamina: http://www.mcti.gov.br/fosfoetanolamina e http://www.mcti.gov.br/relatorios-fosfoetanolamina. O resumo do relatório técnico científico sobre os testes químicos realizados com as cásulas da "pílula do câncer" pode ser acessado em: http://boletim.sbq.org.br/noticias/2016/n2350.php.


Texto: Mario Henrique Viana (Assessor de Imprensa da SBQ)








Contador de visitas
Visitas

SBQ: Av. Prof. Lineu Prestes, 748 - Bloco 3 superior, sala 371 - CEP 05508-000 - Cidade Universitária - São Paulo, Brasil | Fone: +55 (11) 3032-2299