.: Notícias :.
Boletim Eletrônico Nº 1304

DESTAQUES:


Siga o

da SBQ



Logotipo
Visite a QNInt





capaJBCS



capaQN



capaQnesc



capaRVQ


   Notícias | Eventos | Oportunidades | Receba o Boletim | Faça a sua divulgação | Twitter | Home BE | SBQ



08/02/2018



Com patrocínio da SBQ, é realizada a primeira ABC Chem


Conferência no México reuniu sociedades científicas de países banhados pelo Oceano Atlântico

Entre 23 e 26 de janeiro, foi realizada em Cancún, no México, a primeira Atlantic Basin Conference on Chemistry, uma iniciativa de sociedades científicas de países banhados pelo Oceano Atlântico. A SBQ foi uma das patrocinadoras do evento, que tem o objetivo maior de conectar químicos de regiões diferentes para troca de ideias e eventuais colaborações em pesquisas multidisciplinares.

Os professores Adriano D. Andricopulo (IFSC-USP), Aldo Zarbin (UFPR) e Norberto Peporine Lopes FCFRP-USP, ex-presidente, presidente e presidente sucessor da SBQ, participaram da ABC Chem, tanto proferindo conferências, quanto divulgando a química brasileira.

O Brasil teve a terceira maior delegação do evento, depois de México e Estados Unidos. Foram 25 participantes, incluindo um keynote speaker – o professor Fernando Galembeck (Unicamp) –, quatro pesquisadores convidados: os professores Aldo Zarbin (UFPR), presidente da SBQ, Norberto Peporine Lopes (FCFRP-USP), presidente sucessor da SBQ, Claudio Mota (UFRJ) e Érico Marlon de Moraes Flores (UFSM). O ex-presidente da SBQ, professor Adriano D. Andricopulo (IFSC-USP) fez apresentação oral e coordenou uma das seções.

"A ABC Chem representa mais um grande passo no nosso processo de internacionalização", afirma Zarbin. "Falei na abertura que era um evento experimental, e nós, cientistas, planejamos nossos experimentos para dar certo." Inicialmente o evento será realizado a cada cinco anos – o próximo deve ser na África ou na Europa. "Já começaremos a planejar o próximo no segundo semestre quando faremos uma reunião entre as sociedades organizadoras", conta o presidente da SBQ.

"Foi um evento excelente, em que cientistas brasileiros pudemos falar em pé de igualdade com sociedades químicas estrangeiras. A nossa presença nesse evento, desde sua criação, marca mais uma etapa do nosso crescimento internacional e do nosso reconhecimento cada vez maior", observa Peporine.

Daiane Szczerbowski Montes Vidal, do laboratório de semioquímicos da UFPR, foi uma das químicas brasileiras presentes à conferência. Ela conversou com o Boletim SBQ sobre a experiência:

O que achou do evento?
O evento foi muito bom! Foi um dos melhores eventos que já participei. A organização estava excelente, assim como a programação científica. Além das plenárias que tiveram assuntos bem diversos e de grande impacto na química de forma geral, o evento contava com três sessões distintas (Chemistry in biology, Materials and nanochemistry e Green chemistry), sendo assim era possível assistir a de seu maior interesse. Na sessão de pôsteres muitas pessoas vieram interessadas na explicação completa do trabalho e recebi muitos feedbacks sobre minha pesquisa.

Você fez alguma apresentação ou foi para assistir?

Levei um pôster da nossa pesquisa e apresentei no primeiro dia de sessão de pôster. Fiquei muito feliz que após apresentar recebi o convite para fazer uma short presentation do meu trabalho. Preparei a apresentação e no dia seguinte fiz uma apresentação de 10 minutos.

Fale um pouco sobre seu trabalho de pesquisa e formação.

Sou formada pela UFPR, onde fiz também meu mestrado e doutorado, o qual conclui em 2016. No fim de janeiro estou concluindo um ano de pós-doc na UFPR no Laboratório de Semioquímicos onde desenvolvi o doutorado também. Nosso grupo de pesquisa estuda ecologia química, que visa identificar os compostos que mediam as interações dos insetos entre eles e destes com as plantas. No nosso laboratório o foco principal são os feromônios, que são os semioquímicos responsáveis pela comunicação de insetos dentro da mesma espécie. Em especial estudamos os feromônios sexuais que são compostos liberados por um dos sexos para atrair o sexo oposto para cópula. Nosso objetivo com isso é estudar pragas na agricultura, a fim de utilizar os feromônios em armadilhas desenvolvidas para atrair os insetos e assim diminuir o uso de agrotóxicos.


Texto: Mario Henrique Viana (Assessoria de Imprensa da SBQ)








Contador de visitas
Visitas

SBQ: Av. Prof. Lineu Prestes, 748 - Bloco 3 superior, sala 371 - CEP 05508-000 - Cidade Universitária - São Paulo, Brasil | Fone: +55 (11) 3032-2299