.: Notícias :.
Boletim Eletrônico Nº 1332

DESTAQUES:


Siga o

da SBQ



Logotipo
Visite a QNInt





capaJBCS



capaQN



capaQnesc



capaRVQ


   Notícias | Eventos | Oportunidades | Receba o Boletim | Faça a sua divulgação | Twitter | Home BE | SBQ



06/09/2018



Requiem pelo Museu Nacional


Acho difícil escrever sobre o Museu Nacional neste momento de luto profundo da cultura brasileira. Todavia, acredito que deva fazê-lo. Passei doze anos trabalhando no Instituto de Química da UFRJ e, paralelamente, exerci muitas atividades culturais, graças ao grande número de entidades de primeira linha no campo da cultura sediadas no Rio de Janeiro, e à oportunidade de sorver o que aquelas entidades únicas põem à nossa disposição. A convivência com pessoas de escol no ambiente cultural também contribuiu decisivamente para isso.

Entre as entidades com que trabalhei mais de perto destacam-se pelo menos quatro: o Museu Nacional, o Museu Imperial, a Biblioteca Nacional e o Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. Vou limitar-me aqui, no entanto, ao Museu Nacional, em virtude do momento que atravessamos. Esta foi uma instituição que conheci intimamente, em dezenas e dezenas de idas até a Quinta da Boa Vista. Uma das tarefas mais gratificantes foi a elaboração de uma agenda para o Instituto de Química da UFRJ para o ano de 2008, a pedido de sua Diretora, Profa. Cássia Curan Turci. Como o ano de 2008 seria aquele da comemoração do bicentenário da chegada da família real portuguesa ao Brasil, propus que usássemos objetos de dois museus da UFRJ: o Museu Nacional, fundado por D. João VI, e o Museu D. João VI, assim nomeado em homenagem ao Rei. A ideia subjacente era mostrar como um museu tem um número incontável de possibilidades culturais e científicas. Meu plano, e assim foi executado, era mostrar a imensa variedade de compostos químicos usados ao longo dos tempos na confecção dos mais variados objetos, utilitários, artísticos ou ornamentais Tive a ajuda de fotógrafos profissionais e desenvolvi o projeto, ao longo do qual minha admiração e intimidade com o museu, que já eram grandes, aumentou consideravelmente. A partir daí, todos os anos eu fazia uma visita com os calouros do curso de química ao outro museu, o Museu D. João VI, situado no campus da universidade, para guiar os alunos na fascinante viagem de descobrir a presença constante da química em nossa vida, em todos os seus aspectos.

Voltando ao Museu Nacional, acho conveniente dar uma rápida pincelada àquilo que ele representou, e da sua importância não só para o Brasil, mas para todo o mundo.

Foram 20 milhões de objetos preciosos destruídos por descaso, displicência, irresponsabilidade, incompetência e ignorância de nossos governantes. O último presidente brasileiro a visitar o Museu Nacional parece que foi Juscelino Kubitschek. É uma triste constatação, pois depois dele houve 14 presidentes. Quando D. Pedro II visitou Victor Hugo em Paris, este lhe deu uma foto sua com a dedicatória: "Àquele que tem por ancestral Marco Aurélio". Este foi para o Imperador o maior elogio que recebeu na vida. O que dizer de nossos governantes atuais? No dia seguinte à destruição do Museu Nacional, um ministro do atual governo, falando em nome do Palácio do Planalto, disse não suportar as "viúvas" que estão a se lamuriar pela perda sofrida pelo Brasil. Aliás, quando do bicentenário do museu, em junho passado, nenhum ministro do atual governo quis comparecer ao museu, numa demonstração flagrante do descaso e da ignorância cultural em que chafurdamos na atualidade.

O Ministério da Cultura no Brasil, ao financiar projetos culturais, deveria dar uma atenção toda especial às atividades que não são auto-sustentáveis, como museus, bibliotecas e concertos de música clássica. Estas instituições e atividades, contudo, não rendem votos, por isso nada valem num país indigente culturalmente. Só um programa de levar a cultura a camadas cada vez mais amplas da população poderia mudar o panorama do país. No entanto, o MINC está longe disto.

Além de trabalhar pessoalmente durante anos com o Museu Nacional, até poucos dias atrás um de meus alunos de doutorado lá esteve para estudar amostras mineralógicas antigas.

Hoje se foram todas as coleções egípcias adquiridas por D. Pedro I e por seu filho (mais de 2000 peças), as coleções gregas, etruscas e romanas de D. Teresa Cristina, entre as quais mais de 2000 peças de vidro de Pompeia, assim como quatro afrescos pompeianos do primeiro século A.D., a mais antiga Torá do mundo, em pergaminho, o mais antigo fóssil humano do Brasil, assim como incontáveis fósseis animais, de dinossauros a mamíferos de milhares de anos, coleções zoológicas, botânicas e mineralógicas (entre as quais a coleção de José Bonifácio). Também se perderam incontáveis coleções americanas, como múmias andinas, 20.000 peças de tecidos peruanos pré-colombianos, o manto real do rei do Hawaii, presenteado a D. Pedro I e único no mundo, a magnífica taça em prata dourada e coral, dada por D. João VI, além de quadros, móveis e inúmeros objetos preciosos insubstituíveis. Ao contrário do que pensa o ministro do governo atual, quem está viúvo é o Brasil, e com carradas de razão.

Na primeira década deste século pude presenciar um trabalho notável de aplicação de alta tecnologia à recuperação e conservação das três múmias egípcias do Museu Nacional. Com a umidade do Rio de Janeiro as múmias estavam ameaçadas por micro-organismos, sobretudo fungos. Um de meus colegas do Instituto de Química da UFRJ esteve intimamente ligado a este projeto, que foi interessantíssimo: as múmias foram postas num "casulo" de lâminas de sílica, como se fosse um saco de plástico transparente, só que não-poroso, numa tecnologia muito sofisticada de origem japonesa. Dentro do casulo o ar foi trocado por nitrogênio seco, o que fez perecerem os micro-organismos aeróbicos que haviam atacado as múmias.

Para ilustrar um pouco do que foi aqui mencionado, seguem-se fotos de alguns dos itens preciosos, sobretudo da seção de arqueologia, que faziam parte do acervo do Museu Nacional e que foram utilizadas na confecção da agenda mencionada de 2008. Embora se trate de uma amostra ínfima daquele precioso acervo, as peças retratadas são um testemunho do tesouro que se perdeu na tragédia da noite de 2 de setembro de 2018.

Coleção egípcia

   
Máscara de ouro  Colar de faiança e contas  Fragmento de sarcófago


 
Sarcófago de dama da XXIII dinastia  Os deuses Osíris e Ísis, esta amamentando o infante Hórus


 
Sarcófago do sacerdote Hori   Ushabti (estatueta funerária)


Coleção helenística

 
Koré helenística em mármore   Afrodite em alabastro


 
Cratera italiota com guerreiros   Cratera italiota da Campania


 
Enócoa, figura vermelha, Puglia   Fragmento helenístico em terracota


Coleção etrusca

 
Guerreiro etrusco em bronze   Cálice etrusco em terracota


Coleção pompeiana

Afrescos pompeianos com animais marinhos e com pássaros


   
Ânfora pompeiana em bronze   Espelho de Pompeia em bronze   Lâmpada em bronze com relevo de Eros adormecido


 
Vaso de bronze, Pompeia   Adereços femininos em bronze


Vidro pompeiano

Frascos de pasta de vidro


Frasco de vidro soprado


Arqueologia americana

 
Lhamas em bronze   Ouro andino


 
Acha andina em bronze   Cerâmica do Yucatan


Adereço andino em lã


Cerâmica e porcelana

Vasos marajoaras


Jarrão em porcelana de Sèvres de D. Pedro II


Taça "Batalha de Constantino", presenteada por D. João VI ao Museu Nacional, quando de sua fundação em 1818, em prata dourada e coral (24 cm de altura por 13 cm de largura). Peça de ourivesaria, com a cena da batalha esculpida em coral sobre a taça em metal nobre com decoração gravada.


Fotos adicionais de outros aspectos do Museu Nacional

A antiga sala do trono do Palácio em 2013, com móveis antigos colocados no recinto, mas não originais da sala.


Pormenor arquitetônico interno da sala do trono


Tetos do Palácio da Quinta da Boa Vista, sede do Museu Nacional, 2013


Bustos dos dois imperadores do Brasil


Fachada principal do Museu Nacional em 2013



Carlos Alberto L. Filgueiras
Ex-Professor titular da UFRJ e Professor emérito da UFMG
Ex-presidente da Sociedade Brasileira de Química








Contador de visitas
Visitas

SBQ: Av. Prof. Lineu Prestes, 748 - Bloco 3 superior, sala 371 - CEP 05508-000 - Cidade Universitária - São Paulo, Brasil | Fone: +55 (11) 3032-2299